Você pode ter sido redirecionado para esta página web a partir da página web da UAS Labs como uma ação on-line após a aquisição da UAS Labs pela Chr. Hansen

A ciência por trás das nossas cepas

Entenda nosso processo de identificação, caracterização e testes de cepas probióticas quanto a benefícios para a saúde 

Na Chr. Hansen, temos orgulho de fazer a jornada STRAIN TO SOLUTION. Para isso, seguimos uma série de passos importantes para entender a ciência por trás de nossas cepas probióticas. Isso começa no laboratório na fase pré-clínica, quando exploramos questões como o que é a cepa e quais são suas características probióticas. As cepas que apresentam propriedades desejáveis na fase pré-clínica podem, então, ser colocadas em produção e testadas em estudos com humanos, para entendermos melhor seu papel no suporte à saúde. 

Tudo começa com cepas bacterianas cuidadosamente selecionadas 

A Chr. Hansen tem uma coleção importante de cepas bacterianas que foram isoladas ou licenciadas de parceiros confiáveis. Esta coleção de cepas é a base para o nosso desenvolvimento de novos produtos probióticos.

Novas cepas são cuidadosamente caracterizadas usando análises genômicas e métodos laboratoriais de última geração, para garantir que sejam seguras. O sequenciamento genômico permite a identificação mais precisa da cepa e é uma parte essencial da avaliação de segurança. As análises bioinformáticas também são usadas para pesquisar as cepas quanto à presença de genes e marcadores indesejáveis, para confirmar se a cepa é uma boa candidata para a próxima etapa de triagem. 

 

Triagem de características probióticas 

O próximo passo é estabelecer, por meio de uma série de testes, se a cepa é promissora como probiótico:  

  • Os métodos laboratoriais determinam a tolerância a ácido e bile, bem como a inibição de bactérias nocivas. 
  • Células humanas e outros modelos baseados em laboratório são essenciais para entender qualquer interação entre a cepa e o ser humano.  
  • Métodos experimentais avançados são usados para testar interações específicas, como a melhoria potencial da barreira intestinal, o impacto específico no sistema imunológico ou a produção de moléculas bioativas.  

Também podemos usar bioinformática para procurar a presença de genes específicos que são conhecidos por sua associação com a função probiótica. Isso ajuda a dinamizar o processo de seleção de novos candidatos probióticos com benefícios para a saúde específicos. 

Simulação de condições no trato gastrointestinal 

Na etapa seguinte, é testado o desempenho do probiótico nas condições do trato gastrointestinal (GI) humano. Na Chr. Hansen, estamos usando dois modelos únicos e muito avançados para simular isso: TIM-1 e TIM-2.  

 

TIM-1 é um modelo validado, que simula o estômago e o intestino delgado, enquanto TIM-2, também um modelo validado, simula o cólon. Ambos os modelos são altamente reflexivos das condições que são conhecidas por serem importantes para a sobrevivência e função probiótica no trato GI humano. Isso torna os modelos TIM extremamente valiosos para o estudo da sobrevivência de probióticos e como a formulação afeta a sobrevivência, a produção de metabólitos específicos ou a colonização do intestino grosso e os benefícios dos prebióticos. 

Em determinadas situações limitadas, os estudos com animais essenciais podem ser usados para confirmar as descobertas laboratoriais de certos candidatos a probióticos. Esses estudos podem ser usados para aumentar nossa confiança de que o probiótico terá benefícios para os estudos humanos. Estudos com animais também podem ser úteis para sugerir o que deve ser medido em estudos com humanos, como marcadores de funções específicas, e permitir análises do modo de ação. 

 

Aumento da escala para a produção 

Quando uma cepa probiótica tiver sido selecionada, o processo de produção é desenvolvido para garantir um produto estável e altamente viável. Para obter mais informações sobre essa etapa, consulte Produção

 

Testes de benefícios para a saúde: Estudos com humanos 

Muitos alimentos e suplementos contêm bactérias vivas, mas apenas cepas bacterianas com um benefício para saúde cientificamente demonstrado podem ser denominadas probióticos. Esses benefícios para a saúde podem ser medidos em estudos com humanos. Essa é a principal maneira de descobrirmos se uma nova cepa bacteriana é segura nas pessoas, e que a cepa bacteriana tem benefícios em termos de suporte à saúde humana

Na Chr. Hansen, nós temos especialistas dedicados em nosso Departamento de Desenvolvimento Clínico de última geração, que garantem que nossos estudos sejam cuidadosamente projetados, revisados e concluídos de acordo com os padrões de qualidade internacionais, éticos e científicos.  


Ao fazer uma parceria com a Chr. Hansen 

Somos pioneiros na ciência microbiana para melhorar a saúde. Como parte de nosso compromisso, acreditamos na necessidade de apoiar pesquisas científicas éticas e independentes, conduzidas por investigadores qualificados de terceiros. Essas colaborações com parceiros externos são essenciais para nossos esforços de P&D, e nós damos as boas-vindas a novas parcerias com investigadores individuais e equipes de pesquisa. O valor dessas colaborações é fundamental para complementar nossos próprios estudos científicos na compreensão da ciência por trás de nossas cepas e na exploração de benefícios potenciais para a saúde de pessoas em todo o mundo. 

A Chr. Hansen pode apoiar pesquisadores acadêmicos e independentes com produtos experimentais, sujeitos a uma avaliação científica e um acordo por escrito. Podemos oferecer produtos experimentais e placebo correspondente, ou juntos podemos personalizar uma solução ou produto probiótico único, para fins de estudo, que atenda às suas necessidades específicas, incluindo a população-alvo pretendida, o formato de dosagem e a área de saúde probiótica (isto é, área de benefício pretendido).  

Entre em contato para obter mais informações sobre nossas parcerias e soluções únicas.  

 

 

Esta comunicação se destina exclusivamente a B2B e a profissionais de saúde. Esta comunicação não se destina a consumidores de bens de consumo finais. Nada nesta página deve ser interpretado como uma alegação aprovada.  

Compartilhe