Lactobacillus (L. CASEI 431®)

Sobre o Lactobacillus (L. CASEI 431®)

  • Identificado como Lactobacillus paracasei subsp. paracasei
  • Isolado nas fezes de bebês 
  • L. CASEI 431® é marca comercial registrada da Chr. Hansen A/S
  • Usado no mundo todo desde 1995 como um ingrediente em alimentos e suplementos alimentícios, sem informações sobre doenças ou lesões dos consumidores
  • Testado em estudos clínicos, desde bebês a idosos, sem eventos adversos severos informados

Sólido pacote de documentação clínica 

A cepa probiótica L. CASEI 431® tem sido usada em alimentos e suplementos alimentícios desde 1995 e é uma das cepas probióticas Lactobacillus mais bem documentadas. Tem sido descrita em mais de 801 publicações científicas e mais de 201 estudos clínicos. Recentemente, o mais amplo estudo clínico do mundo sobre o efeito imunológico dos probióticos (L. CASEI 431®) em adultos foi publicado2

A Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) designou a cepa L. CASEI 431® como Reconhecida em Geral como Segura (GRAS). Além disso, o Lactobacillus paracasei foi revisado e recebeu o estatuto de Novo Ingrediente Alimentício (NDI) pela FDA norte-americana. Na Europa, desde 2007, o Lactobacillus paracasei recebeu o estatuto de Suposição Qualificada de Segurança (QPS), pela Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) – um estatuto oferecido à espécie.

Estudos clínicos 

Dados clínicos substanciais indicam que a cepa probiótica L. CASEI 431® pode ter efeitos benéficos em relação às áreas gastrointestinal e imunológica:

  • Pode aumentar a resposta imunológica
  • Pode reduzir o risco de problemas estomacais4 
  • Pode reduzir a duração de sintomas de resfriado comum e semelhantes à gripe2

Nada nesta página deve ser considerado uma alegação aprovada.

Suas oportunidades

Nós oferecemos Lactobacillus (L. CASEI 431®) para suplementos alimentícios, fórmulas infantis e produtos fermentados à base de leite. Contate-nos para outras informações.

1 Em julho de 2015
2 de Vrese et al. 2005; Rizzardini et al. 2012
3 Gonzales et al. 1990
4 Jespersen et al. 2015

Compartilhe